2008-03-03

Comunidades da caatinga discutem mercado da sociobiodiversidade

Mais de 150 propostas entre conceitos, produção, beneficiamento e comercialização, valor agregado e estratégias de mercado sobre produtos extraídos de forma sustentável do bioma caatinga, foram elaboradas por representantes de comunidades tradicionais, organizações não-governamentais, universidades e poder público durante o Seminário Regional Nordeste: Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, no final de semana, em Juazeiro, norte da Bahia.

O evento promovido pelos ministérios do Meio Ambiente (MMA), do Desenvolvimento Agrário (MDA) e do Desenvolvimento Social (MDS), em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado (Semarh), reuniu representantes de todos os estados do Nordeste brasileiro.
Durante três dias, os participantes tiveram a oportunidade de conhecer a realidade das comunidades caatingueiras e promover políticas de conservação e uso sustentável dos recursos florestais do bioma, garantindo práticas eficientes na produção.

Cajuí, faveleira, babaçu, carnaúba, maracujá do mato, catolé e pequi são algumas das espécies encontradas no sertão brasileiro e transformadas em matéria-prima por comunidades que sobrevivem da exploração sustentável de plantas e flores, contribuindo para a preservação da caatinga. Frutos, castanhas, sementes, plantas e óleos são transformados em doces, óleos comestíveis, produtos fitocosméticos e artesanato, gerando emprego e renda para a comunidade 'caatingueira'.

Segundo o coordenador técnico do evento e representante do Ministério do Meio Ambiente, Bruno Filizona, as decisões serão consolidadas em Brasília, durante o seminário nacional, previsto para acontecer em maio. "Todas as propostas serão encaminhas ao governo federal, para a formulação de políticas que garantam a sustentabilidade dos biomas brasileiros e a geração de emprego e renda para as comunidades da região", garantiu.

De acordo com o coordenador de Diversificação Econômica do Ministério do Desenvolvimento Agrário, José Adelmar Batista, as políticas públicas possibilitam atender as necessidades básicas do país, gerando crescimento econômico e estimulando a conservação dos recursos naturais. Ele explicou que a idéia de uma política especifica para os produtos da sociobiodiversidade é justificável “porque temos a maior riqueza de espécies do mundo e a metade do nosso território é coberto por vegetação nativa". Para a coordenadora de Biodiversidade da Semarh, Marianna Pinho, o seminário contribuiu para a troca de experiências de comunidades locais e o aprendizado sobre o conhecimento tradicional da biodiversidade da caatinga.


mas/is

Nenhum comentário:

Arquivo


Ocorreu um erro neste gadget