2008-04-29

Ferrugem asiática - A Bahia é o estado onde o índice é menor

Com apenas 64 focos de ferrugem asiática da soja, a Bahia registra, na safra 2007/2008, a menor incidência da praga do país, segundo levantamento feito pelo Consórcio Nacional Anti-Ferrugem nas principais regiões produtoras de soja. Para combater a praga diversas ações foram realizadas pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab). Entre elas a criação do comitê estadual para controle da ferrugem, a implantação do vazio sanitário da soja, testes de eficiência de fungicidas e incremento nos serviços de diagnose rápida.

Em estados cuja incidência foi considerada alta foram registrados de 500 a mil focos. Para o diretor de defesa sanitária vegetal da Adab, Cássio Peixoto, o consórcio formado pela Adab, Associação dos Irrigantes da Bahia (Aiba), Fundação Bahia (Fundação BA) e Ministério da Agricultura (Mapa) garantiu a eficiência no monitoramento da ferrugem nesta safra. Na safra passada (2006/2007), o número de focos diagnosticados na Bahia foi de 747, o que representa mais de 1000% em relação à safra atual.

“As ações do Programa Estratégico de Manejo da Ferrugem Asiática da Soja, vêm dando sustentabilidade para a produção de soja na região oeste da Bahia, que nesta safra recuperou o teto de produção e produtividade, compatíveis com a área plantada de 850 mil hectares”, afirma.

Durante esta safra foi identificada a redução do número de aplicações de fungicidas, considerada a mais baixa de todos os tempos, com duas aplicações. A cultura da soja consome grande quantidade de defensivos agrícolas. A meta é que o uso dos defensivos agrícolas seja reduzido a cada safra.

“Estamos otimistas para a safra 2008/2009 e acreditamos que o número de focos será ainda menor, pois o combate à praga passará a contar com o Vazio Sanitário da Soja, que tem como objetivo reduzir a fonte de inoculo do fungo causador da ferrugem”, conclui Peixoto.

O vazio sanitário, já adotado pela maioria dos estados produtores de soja, estabelece a ausência total de plantas vivas da cultura da soja por um período de 60 dias durante a entressafra e compreende o período de 15 de agosto a 15 de outubro de cada ano.

Modelo de monitoramento

Desenvolvido pela Adab, o Programa Estratégico de Manejo da Ferrugem Asiática da Soja conta com um modelo de monitoramento de focos, considerado referência nacional, segundo o Mapa e Confederação Nacional de Agricultura (CNA). Este modelo possui uma rede de comunicação denominada sistema de alerta, que informa à assistência técnica pública e privada os problemas detectados durante a safra.

A Bahia possui ao todo nove laboratórios de diagnose rápida, que garantem a efetividade de suas ações e detecção imediata da ferrugem. Os laboratórios ficam nas regiões de Barreiras, Correntina, Luis Eduardo Magalhães e São Desidério.

Ras/al

Nenhum comentário:

Arquivo


Ocorreu um erro neste gadget