2008-04-12

Informações nada surpreendentes - Presos acusados de desvio do FPM já estão soltos

Êta país esculhambado este nosso Brasil. Aqui se monta um teatro de prisões que aparentemente dá a idéia que vivemos em um país justo. Pouco tempo após, acaba a peça teatral e tudo volta a ser como antes.

Um exemplo disso foi as prisões de quinta-feira (9).

Pois não é que o Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região determinou a libertação de todas as pessoas presas na quinta-feira (9) pela Operação Pasárgada da Polícia Federal (PF)!

Cinquenta pessoas acusadas de desviar cerca de R$ 200 milhões do Fundo de Participação dos Municípios, incluindo 17 prefeitos de Minas Gerais e da Bahia já estão fora das grades.

Em sessão na noite de ontem (11), a Corte Especial do TRF em Brasília entendeu que o corregedor que havia determinado a prisão de um juiz federal na operação tem apenas poderes administrativos e não pode aplicar medidas judiciais. Ao libertar o magistrado, o TRF estendeu o benefício aos demais presos.

E assim, o resultado de oito meses de investigação, termina de forma nada surpreendente, pois a justiça do Brasil cada vez mais merece nosso crédito.

A Operação Pasárgada, segundo a Agência Brasil, cumpriu 50 dos 52 mandados de prisão e apreendeu R$ 1,3 milhão, US$ 20 mil, dois aviões, 36 automóveis e duas motos. De acordo com a PF, as ações envolveram 500 policiais federais.

Com a ajuda de analistas da Controladoria Geral da União (CGU), a Polícia Federal descobriu o envolvimento de juízes, prefeitos, advogados, procuradores municipais, assessores e lobistas no desvio de verbas repassadas pelo governo federal a 15 municípios de Minas Gerais e dois municípios da Bahia.

Sem receber parte dos recursos federais por causa de dívidas com a Previdência Social, as prefeituras conseguiam a liberação do dinheiro por meio de decisões judiciais. Segundo a PF, juízes e servidores da Justiça Federal recebiam suborno em troca de liminares concedidas a um escritório de advocacia contratado sem licitação pelos municípios. Os honorários eram divididos com os prefeitos.

Agora todos estão soltos! É como se diz por aí: no Brasil fica preso apenas PPP, ou seja, Preto, pobre e prostituta!

Um comentário:

Manoedson disse...

Porque quando um pobre roubam pra comer, pra não passar fome é massacrado, morto etc.
E quando um desses, deputado, prefeitos, presidentes, governadores e etc.
Eles tem tudo na cadeia, e roubam milhões de R$ e mesmo assi não é preso a maioria daz vez, mesmo que eles roubam é tratado assim

exemplo: ele deviou dinheiro de tal coisa e etc.

Se ele desviou ele também é ladrão é isso que eu não concordo, os pobres como ladrão e os politicos que desviou .



Atenciosemente:
Manoedson Teles de Souza

Arquivo


Teste sua Memória