2007-05-26

Barreiras, Lapa e Irecê sediarão plenárias do PPA Participativo a partir desta sexta-feira

Barreiras, Lapa e Irecê são os municípios que sediarão as plenárias do PPA Participativo nesta sexta-feira (25), sábado (26) e domingo (27), respectivamente, contemplando os territórios do Oeste Baiano e Bacia do Rio Corrente, Velho Chico e Bacia do Paramirim, Irecê e Chapada Diamantina. As atividades começam às 8h30 (ver programação em anexo).

Durante as plenárias, representantes da sociedade civil poderão opinar sobre as ações do Governo da Bahia para os próximos quatro anos. O PPA Participativo é uma das etapas para a elaboração do Plano Plurianual 2008-2011.

As plenárias públicas do PPA Participativo foram abertas pelo governador Jaques Wagner em feira de Santana, no último dia 11, e reuniu mais de 400 representantes da sociedade civil organizada. Em Serrinha (12), foram mais de 450 representantes. No último final de semana, os encontros aconteceram em Porto Seguro (18), Itabuna (19) e Valença (20), este último também com a presença do governador Jaques Wagner.

Territórios e respectivas plenárias:

DIA 25/05 – Territórios do Oeste Baiano e Bacia do Rio Corrente
MUNICÍPIO SEDE DAS PLENÁRIAS: BARREIRAS
LOCAL: Cefet

DIA 26/05 – Territórios do Velho Chico e Bacia do Paramirim
MUNICÍPIO SEDE DAS PLENÁRIAS: BOM JESUS DA LAPA
LOCAL: AABB (Abertura) e Colégio São Vicente (planárias)

DIA 27/05 – Territórios de Irecê e Chapada Diamantina
MUNICÍPIO SEDE DAS PLENÁRIAS: IRECÊ
LOCAL: Espaço Grand Fest

• Contatos para entrevista com o secretário do Planejamento, Ronald
Lobato:
Juci Machado (71) 9912-3340 (Assessora de comunicação da Seplan)
--------------------
24/05/2007
Ascom Seplan
(71) 3115-3559 / 3617 / 3948
e-mail: ascomsep@seplan.ba.gov.br

Entrevista com o italiano padre Pedro

Depois de quase vinte anos, Padre Pedro não resistiu às saudades e veio visitar os amigos que deixou na cidade sertaneja de nome Irecê, Bahia. Ficou hospedado na casa da irmã Berna, onde tive oportunidade de entrevista-lo:

O Brasileirinho: O que você achou da Irecê atual?

Padre Pedro: Aconteceu uma grande explosão de crescimento, no sentido econômico, o que se vê pelas grandes lojas, construções, empresas e uma explosão de vida nas periferias.

O Brasileirinho: Você acha que Irecê evoluiu no lado social?

Padre Pedro: Acho que Irecê avançou, mas a impressão que tive é que as periferias continuam carentes. Uma coisa que notei em particular no Bairro São Francisco foi a quantidade de casas com a placa “Vende-se esta casa”. Isso significa movimento da população que não tem trabalho. Pessoas que querem mudar ou ir embora. Soube que muitos foram para Barreiras. Acredito que não seja muito fácil o para uma administração acompanhar este crescimento rápido e explosivo.



O Brasileirinho: O que tem a dizer sobre o lugar que você mora na Itália?
Padre Pedro: Lá não tem estas necessidades. A situação é deferente. Vivo em uma área de montanhas, junto com outras pessoas, formando uma nova sociedade que surgiu com a nova tecnologia. O local que tinha cerca de 1.000 pessoas, depois de 1945 se tornou o destino de milhares de imigrantes e hoje está com mais de 50.000 pessoas.

O Brasileirinho: Sente necessidade de reclamar alguma coisa, como fazia quando estava em Irecê?

Padre Pedro: Lá onde moro minha principal reivindicação é para que melhorem as estradas, a fim de podermos nos locomover-nos mais rapidamente pelas estradas nas montanhas.

O Brasileirinho: Lá tem muita violência?

Padre Pedro: O lugar onde moro recebe muitos imigrantes da Ásia e da África. É um lugar onde se vê mais negros do que no Brasil. Muitos dos que entram ilegalmente são criminosos e provocam violência de diversos tipos. O fenômeno do crime aumenta a tensão e os imigrantes são acusados da violência.

O Brasileirinho: Notou alguma diferença no aspecto religioso?

Padre Pedro: É espantoso o número de igrejas protestantes que tem em Irecê atualmente. Em um levantamento que fiz constatei que há 58 igrejas protestantes só dentro de Irecê.

O Brasileirinho: Qual a impressão que você leva da Irecê atual para a Itália?

Padre Pedro: A riqueza de Irecê não está na terra, mas na mistura do povo. Esta mistura do povo de fora, com os da terra, é a riqueza. Impressionante é que a miscigenação se deu com tranqüilidade, sem grandes conflitos. As pessoas não se isolaram. Em Irecê não existe o grupo isolado da Paraíba, ou de Pernambuco, ou de Sergipe. Misturaram-se pacificamente e vivem em paz.

Visitem:
www.obrasileirinho.com.br
http://turminhabrasileira.blogspot.com
http://jacksonrubem.blogspot.com

Arquivo


Ocorreu um erro neste gadget