2007-11-17

Ex-prefeito de Irecê, Beto Lelis, reivindica seu mandato de deputado

No dia 30 de novembro, o ex-deputado e ex-prefeito de Irecê, Adalberto Lelis Filho (Beto Lelis) entrará na justiça para solicitar seu mandato de deputado federal, no lugar de Sérgio Brito.

É que o Sérgio Brito foi infiel ao PDT, seu partido. E de acordo com decisão do Tribunal Superior Eleitoral tanto o partido pode solicitar suplentes no lugar dos infiéis, quanto o próprio suplente pode reivindicar o cumprimento do direito que lhe está assegurado.

Por conta de apadrinhamentos, a executiva nacional do PDT decidiu lavar as mãos no caso de Sérgio Brito, mesmo ele tendo mudado de partido. É que atualmente apóia o presidente Lula e como existe muitos interesses em jogo, preferiram deixar a solicitação por conta do suplente (na foto Beto Lelis(D) com Naomar).

Neste caso, o suplente é Beto Lelis o qual já entregou seu diploma de suplente e espera a chegada do dia 30 para solicitar seu mandato.

Segundo ele, são 60% de chances a seu favor:

"Meus pés estão firmes no chão e eu estou pronto para assumir o mandato de deputado ou continuar na roça com uma enxada na mão. Tenho uma torcida fantástica do meu lado e Deus acima de tudo" - disse Beto Lelis.

2007-11-16

Ouvinte da Caraíbas FM solicita Tropa de Elite para Irecê

Nunca, em toda a história de Irecê, nem mesmo considerando a época das campanhas eleitorais, quando os ânimos ficam acirrados, a violência foi tão grande.

Em Irecê, as pessoas estão sendo assassinadas friamente, outras são espancadas, armas são apontadas para a cabeça dos cidadãos em plena luz do dia, roubo de motos dentro da própria casa ou ambiente de trabalho ...Enfim, a violência reina aqui.

A população de Irecê está assustada. As autoridades policiais se mostram incapazes de resolver o problema. Claro que a culpa não é somente delas, mas também do governo que não lhes dá condições de trabalho.

É inegável a omissão dos deputados que elegemos aqui, em nossa região. Normalmente se acovardam, quando estão diante das autoridades governamentais. Ficam de boca fechada com medo de exigir, com veemência, providências do governador.

Ontem, dia 15 de novembro, ouvindo o Grande Jornal Falado, apresentado pela emissora Caraíbas FM, achei interessante a solução apresentada por um ouvinte de nome Rildo, para o assustador aumento da criminalidade em Irecê.

Uma Tropa de Elite! Isso mesmo: uma Tropa de Elite.

Irecê está entrando em uma fase muito perigosa. A fase da descrença nos políticos, na justiça e nas "autoridades".

E quando a justiça se ausenta, a população pode assumir o comando. Surge então o grande risco do povo dizer "basta de violência" e agir, fazendo justiça com as próprias mãos.

Tomara que isso não venha acontecer.

2007-11-15

Coordenadas do GPS cobrirão quase 100% do território baiano

Seis novas bases receptoras do Sistema de Posicionamento Global (GPS) proporcionarão coordenadas geodésicas de modo contínuo e com cobertura em quase 100% da Bahia. As bases, que são de uso público, proporcionarão uma maior precisão aos serviços que se utilizam do GPS.

Os dados são coletados a cada cinco segundos e são atualizados no intervalo de uma hora no site http://ribac.incra.gov.br/. Duas bases receptoras já foram implantadas. Uma foi instalada na sede da Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em Salvador. A segunda está no município de Bom Jesus da Lapa, região Oeste.

Outras duas bases receptoras estão sendo instaladas em Vitória da Conquista, região Sudoeste, e em Teixeira de Freitas, no Extremo Sul baiano. Os municípios de Irecê e Barreiras (região Oeste) terão mais duas bases receptoras. Os trabalhos devem ser finalizados até o fim do ano. A intenção é fortalecer a infra-estrutura geodésica brasileira por meio de uma parceria firmada entre o Incra e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Qualidade dos dados


De acordo com o engenheiro cartográfico do Incra/Ba, Miguel Pedro da Silva Neto, um dos benefícios da Rede Incra de Bases Comunitárias (Ribac) é ser ativa e fornecer dados continuamente, vinte quatro horas por dia. “A Ribac melhorará a qualidade dos trabalhos realizados pelo Incra, fornecendo mais precisão de dados e facilitando as atividades no campo”.

O Incra adquiriu 80 receptores para todo o país, sendo que seis deles foram destinados para o estado. Para viabilizar a instalação da (Ribac), o Incra, na Bahia, tem firmado termos de cooperação técnica. As primeiras foram com a Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) e com a Universidade do Estado da Bahia (Uneb). As universidades estão viabilizando estrutura física e apoio técnico para a instalação das estações receptoras.

Vantagens

As bases receptoras (Ribac) proporcionarão uma melhor distribuição e exatidão dos dados disponibilizados via GPS no estado. Para o Incra, será importante nos serviços de georreferenciamento, pois os dados obtidos terão uma maior acuidade para a realização da topografia de imóveis rurais e para a constituição do Cadastro Nacional de Imóveis Rurais (CNIR).

O raio de abrangência de cada equipamento é de 300 quilômetros. Como serão de uso público, além do Incra e do IBGE, quaisquer entidades públicas ou privadas terão acesso às coordenadas globais. “O GPS é utilizado para diversas atividades, entre elas para outorga de poços d´água, levantamentos dos serviços de meio ambiente, aerolevantamento, em obras de engenharia e infra-estrutura”, ressalta Miguel.


Cíntia Melo
Assessora de Comunicação
Incra/Ba
Tel.: 71 3206 – 6407 / 8814-5657
cintia.melo@sdr.incra.gov.br

2007-11-14

Irecê conquista uma extensão da Universidade do Vale do São Francisco

Uma boa notícia para Irecê é a conquista de uma Extensão da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, depois de longos anos de esforços.

O sonho inicial era a UFBA para Irecê, onde seria criada a Universidade Federal da Chapada Diamantina, algo que era tido como certo até pouco tempo. Em todo caso, é melhor a UNIVASF do que nada.

Em 2008, segundo o prefeito Joacy Dourado, Irecê terá quatro cursos superiores: Biologia, Química, Física e Matemática. Será criado aqui um Centro de Ciências.

O objetivo inicial destes cursos é a qualificaçãode professores. No futuro, novos cursos virão e quem sabe, servirá para diminuir a saída de jovens da microrregião para outras cidades da Bahia, a capital e até outros estados, como é o caso da Paraíba e países, a exemplo da Bolívia, onde alguns estudam Medicina.

Parabéns para todos os envolvidos no projeto, políticos, população regional e entidades.

2007-11-13

Ações do Ministério Público de Irecê são questionadas por vereadores

A Câmara de Vereadores de Irecê aprovou requerimento do vereador Pascoal, convocando outros vereadores a participarem de audiência com procurador do estado, a fim de discutir ações do Ministério Público em Irecê.

Eles questionam que o Ministério Público vai até a feira livre ordenar a apreensão de CDs e DVDs vendidos por camelôs, mas não fazem nada diante da violência que toma conta de Irecê.

O Ministério Público, em Irecê, em vez de olhar apenas para o lado mais fraco, poderia pressionar o Estado no sentido de assegurar o direito que todo cidadão tem de ir e vir livremente, sem risco de ser assassinado, como está acontecendo na cidade.

Acho que a lei deve ser aplicada, mas primeiro que se aplique aos ricos e poderosos, depois aos mais fracos.

No caso da segurança de Irecê, o Governo e os deputados que representam a região, sumiram. Talvez quando estiver perto da eleição ou quando houver alguma reunião, eles apareçam novamente para fazer um belo discurso carregado de promessas e de estatísticas. Fica só nisso! Nada mais do que isso!

2007-11-12

José Alves de Andrade - O homem que usou um punhal para casar com uma Dourada (I)

José Alves de Andrade, um dos mais conhecidos nomes de Irecê, homenageado com nome de rua, sentiu uma imensa paixão por Ana Joaquina, desde o primeiro momento em que a viu. Diante de seus olhos estava aquela, que ele sonhara ser um dia a mãe de seus filhos.

Queria muito casar-se com ela, desde o primeiro momento em que a viu, mas como casar se ela era dourada e ele não? Como casar se ela era rica e ele pobre? Como casar se a família dela não queria nem enxergá-lo por perto?

Naquela época, uma pessoa de outra família casar com alguém da Dourada era um verdadeiro milagre ou uma verdadeira soma de dinheiro em ação. Os Dourados não queriam que sua família misturasse com outras, pois temiam a descaracterização.

Para que um casamento ocorresse, primeiro o cidadão tinha de mostrar para a família que tinha muitas posses, títulos, coisas de valor. Seus únicos pertences de valor era uma rocinha e uma enxada, usada por ele para cavar os buracos, onde enterrava as sementes de algodão, e para capinar os matos.

Embora não tivesse valores materiais, tinha valores morais: caráter e a determinação de lutar por aquilo que almejava. Ana Joaquina era a mulher de sua vida, aquela que Deus lhe tinha reservado. Nada nesse mundo, nem o poderio de mil dourados juntos, seria capaz de demovê-lo da idéia de casar com ela.

Foi perseguido. Sofreu diversos tipos de humilhações. Ameaçaram-no de morte. Queriam a todo custo que ele desistisse, mas ele não desistia. Ana Joaquina também não. Via em José o homem de sua vida. Seu amor por ele crescia a cada instante, sobretudo ante a perspectiva de vê-lo morto.
(continua na parte II)

Fonte: livros do escritor Jackson Rubem: Irecê: História Casos e Lendas; Irecê, Um Pedaço Histórico da Bahia; Irecê, A Saga dos Imigrantes; O Aniversário de Irecê; Brasileiros Pré-Cabralianos (Brazilians Before Cabral), publicado em Inglês e Português.

José Alves de Andrade - O homem que usou um punhal para casar com uma Dourada(II)


Continuação da parte I

Um dia José Alves de Andrade decidiu de uma vez por todas dar um basta naquela situação. Armou-se com um punhal e foi procurar a família de Ana Joaquina. Eles teriam que permitir seu casamento com Ana, ou por bem ou por mal.

Um fato histórico aconteceu. Por meio do poder de um punhal, carregado com a força do amor, um homem pobre obteve da poderosa família Dourado permissão para um casamento, que marcou a história de Irecê.

O amor triunfou. O casamento durou anos. Só a morte separou José Alves de Andrade de sua amada Ana Joaquina.

José Alves de Andrade estava bem velhinho , quando morreu. Ana Joaquina caiu em profunda depressão. Chorava continuamente a morte do amado. Já não tinha prazer em viver. Teve derrame e morreu pouco tempo depois.

Fonte: livros do escritor Jackson Rubem: Irecê: História Casos e Lendas; Irecê, Um Pedaço Histórico da Bahia; Irecê, A Saga dos Imigrantes; O Aniversário de Irecê; Brasileiros Pré-Cabralianos (Brazilians Before Cabral), publicado em Inglês e Português.

Arquivo


Teste sua Memória