2008-02-08

Concurso da PM - Saeb divulga hoje resultado da quarta etapa

A Secretaria da Administração do Estado da Bahia (Saeb) divulga nesta sexta-feira (8), no Diário Oficial do Estado (www.egba.ba.gov.br/doonline/doflip.asp), o resultado do Teste de Aptidão Física (TAF) do concurso da PM. O caderno especial encartado no DOE traz a conclusão da quarta etapa do certame. Os candidatos terão dois úteis para interpor recurso administrativo.

O resultado também estará disponível no Portal do Servidor (www.portaldoservidor.ba.gov.br) e no site da Fundação Carlos Chagas (www.fcc.org.br). Mais de quatro mil candidatos se submeteram à avaliação física. Os aptos seguem para a próxima e última etapa do concurso (Investigação Social), com previsão de ser concluída em março, com a publicação do resultado final.

Após a publicação do resultado, os candidatos aprovados serão convocados pelo Comando Geral da PM para Curso de Formação de Soldado da Polícia Militar.

O concurso para soldado da PM é o maior da história do serviço público na Bahia, com 127.716 inscritos e visa o preenchimento de 3,2 mil vagas, sendo 2,9 mil para homens e 300 para mulheres. A expectativa é iniciar a convocação dos aprovados ainda no primeiro semestre deste ano.

2008-02-07

Poeta Irajá - S.O.S Velho Chico

Na Serra da Canastra,
Lá nas Minas Gerais
Nasce rio caudaloso
Que somente bem nos traz.

Com 3161 quilômetros
É um rio magistral
Chamado Nilo brasileiro,
Ou da unidade nacional.

Ao desaguar no Atlântico,
Separa Sergipe e Alagoas.
Onde passa suas águas
Semeia só coisas boas.

É um rio de planalto
Nos vales correndo manso.
Mas tem linda cachoeira
Conhecida por Paulo Afonso.

Encanta todas as encostas
Sob este céu de anil,
Produzindo só riqueza
Para o nosso Brasil.

Enche mesas com fartura,
Promove as irrigações,
Nos traz energia elétrica,
Iluminando os sertões.

Vida intensa, fantástica,
Peixes de todas as espécies...
E o que damos a ele,
Será que ele merece?

Esgoto e desmatamento,
Garimpeiros a escavar...
Com tortura e sofrimento
O Chico vive a chorar.

Não deixem Chico morrer,
Ele nunca nos fez mal.
Só produz riquezas
No território nacional.

Minas Gerais e Bahia,
Alagoas, Sergipe, Pernambuco.
O velho Chico fornece
A todos nós muito lucro.

O poeta aqui representa
Pescadores e beiradeiros,
Inúmeras comunidades,
Com milhões de brasileiros.

Cuidemos, pois deste rio,
Nosso rico manancial,
Provando que ainda temos
Um bom senso racional.

Poeta Irajá

Poeta Irajá - Desabafo do Sertão

Sou o sertão de Irecê
Com toda circunvizinhança
Deixo aqui o meu lamento
Cheio de muita esperança.

Grande sertão semi-árido,
Lutando para viver,
Os sertanejos atônitos
Estão me vendo morrer.

Na ganância por dinheiro,
A prioridade é o feijão.
As chuvas estão escassas,
E não há mais produção.

Em nossa microrregião
Não se encontra uma mata.
Não existe sensibilização,
Só boa vontade não basta.

Os poderes constituídos
Não tem política ambiental.
Ignoram que a natureza
Seja o fator primordial.

O desmatamento abusivo
Torna a chuva inconstante
E o sertão outrora farto
Hoje chora agonizante.

Meu solo rubro agoniza,
Morre a fauna, morre a flora.
A extinção da caatinga
Me dilacera, me desola.

Jackson Rubem e outros
Escritores, poetas diversos,
Vivem a chorar comigo
Em contos, prosas e versos.

Peço socorro a todos
Neste grande festival.
Às ONGs e autoridades,
E ao povo em geral.

Assinado Irecê
Município da Bahia
Vocês são testemunhais
De toda a minha agonia.

2008-02-06

Obras do PAC vão movimentar R$ 1,8 bilhão em vários municípios da Bahia

Dos 42 projetos pactuados com o governo federal para serem executados pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) na Bahia, 14,29% estão com as licitações em andamento e 85,71% com previsão para licitar até março e abril deste ano. Até junho, as obras devem ser iniciadas.

Com cerca de R$ 1,8 bilhão em recursos a serem investidos nas áreas de saneamento básico (R$ 805,69 milhões), saneamento integrado (R$ 101,24 milhões), habitação (R$ 263,8 milhões) e infra-estrutura e logística (R$ 223 milhões), os projetos do PAC Bahia foram detalhados hoje (29) num balanço apresentado pela secretária da Casa Civil, Eva Maria Chiavon, durante entrevista coletiva.

“É uma alegria termos construído esta forte parceria com o governo federal para a execução do PAC no estado. Sabemos que não é suficiente que a União assegure os recursos. Também temos que apresentar projetos bons, e é isso que estamos fazendo, é nisso que estamos concentrando os nossos esforços”, disse a secretária.

A área de saneamento básico é dona da maior fatia de recursos do PAC Bahia (39,52% do total) e já tem licitações em andamento e outras previstas para fevereiro. As obras beneficiam cidades como Salvador e suas ilhas, além de Simões Filho, Camaçari, Vitória da Conquista, Candeias, Feira de Santana e outros municípios. “De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, a cada R$ 1 investido em saneamento, se economiza R$ 5 em saúde”, explicou Eva Chiavon.

Os serviços incluem também ampliação e implantação de sistemas de esgotamento sanitário e de abastecimento de água no entorno da Baía de Todos os Santos, em municípios como Santo Amaro, Itaparica, São Félix, São Francisco do Conde, Vera Cruz e Madre de Deus. As obras devem começar em abril.

Já os trabalhos em habitação absorvem melhorias habitacionais e sanitárias, requalificação de imóveis, contenção de encostas, espaços de lazer, equipamentos, recuperação ambiental, iluminação, energia e reassentamento. Em Salvador, nos bairros de Águas Claras e Pirajá, já há licitações em andamento, com previsão de início das obras em fevereiro.
Nas localidades de Nova Esperança, Costa Azul, Alto de Ondina e Pilar 3 e em casarões do Centro Histórico, 2,5 mil famílias vão ser beneficiadas com as intervenções, com as obras previstas para começar em junho.

Em outros bairros da capital e em outras cidades, como Lauro de Freitas, Feira de Santana e Simões Filho, o início das obras deve acontecer em abril ou maio.

Em áreas carentes de Salvador, como Jardim das Mangabeiras, Baixa do Soronha e Nova Esperança, 6.862 famílias vão ser contempladas com as intervenções na área de saneamento integrado (serviços de água, esgoto, drenagem, pavimentação e recuperação de equipamentos comunitários, entre outros). Em Nova Esperança, a licitação já está em andamento e os trabalhos serão iniciados em março.

Projetos-destaque

Dois projetos marcam os investimentos do PAC em infra-estrutura na Bahia. O principal deles é a Via Expressa Portuária, cujos recursos, que ainda estão em negociação com o governo federal, são estimados em R$ 339 milhões, com previsão para licitação em fevereiro. A via vai ligar a BR-324 ao Porto de Salvador, eliminando o fluxo de cargas pela Avenida Bonocô e criando um novo acesso à cidade.

O segundo projeto é o Sistema Viário Dois de Julho, que vai promover melhorias na região de acesso ao aeroporto de Salvador – obra já iniciada.

As licitações referentes à área de recursos hídricos devem começar em março, com obras nos municípios de Cafarnaum, Jacobina, Barra do Choça, Planalto e Pedro Alexandre, beneficiando mais de 64 mil famílias.

Existe ainda um pleito de R$ 322 milhões para 171 municípios, com obras de abastecimento de água, esgotamento sanitário, oferta de água nas escolas e melhorias habitacionais para combate à Doença de Chagas. Mais R$ 34 milhões estão sendo pleiteados e à espera de autorização para a realização de obras de saneamento em assentamentos rurais e quilombolas.

Ao finalizar a entrevista, a secretária afirmou que são projetos como esses que fazem a oferta de empregos crescer. “Entendemos que o maior volume de obras ainda não começou, mas a expectativa pelo início delas cria um ambiente favorável ao surgimento de postos de trabalho com carteira assinada”, ressaltou. Ela disse que em 2007 foram criados 62 mil novos empregos formais na Bahia – 30 mil em Salvador e 32 mil no interior.

Eva Chiavon citou obras programadas para o PAC na Bahia que serão executadas pelo governo federal, como os trabalhos de adequação, duplicação e manutenção das BRs 116 e 324, além da construção da Ferrovia de Integração Oeste/Leste, que vai ligar os municípios de Luís Eduardo Magalhães e Ilhéus.

Também participaram da entrevista os secretários Afonso Florence (Desenvolvimento Urbano), Ronald Lobato (Planejamento) e Antônio Carlos Batista Neves (Infra-estrutura).

2008-02-05

Trio elétrico baiano foi inspirado no frevo pernambucano


Em sua matéria publicada na Agência Brasil o jornalista Morilo Carvalho dá uma nova explicação para o surgimento do trio elétrico baiano que durante os períodos de carnaval atrai centenas de pessoas do interior da Bahia, Brasil e mundo.

Asim escreveu ele:

As tesourinhas, ferrolhos, parafusos e dobradiças – passos do frevo, como conhecidos atualmente – surgiram da rivalidade entre os clubes de “fervura”, de rua, que agrupavam pessoas nas ladeiras de Recife no final do século 19. É neste contexto que surge o frevo, ritmo que hoje contagia milhares de foliões no carnaval.

Os detalhes são da pesquisadora, etnógrafa e folclorista Cláudia Lima, que já escreveu um livro sobre o frevo e, em entrevista ao programa Cotidiano, da Rádio Nacional AM, informou que a dança e o ritmo surgiram do misto de banda marcial com os capoeiristas, que iam à frente dos clubes de rua. E que os guarda-chuvas eram usados na época por influência dos costumes europeus, tornando-se armas para as disputas.

A tradição pernambucana também recebeu influências das marchinhas cariocas, na década de 20. “No Rio de Janeiro, começavam as marchinhas, e em Pernambuco era o frevo com letra, que mais tarde passou a ser conhecido como frevo-canção”, contou a pesquisadora.

Além de receber influência fluminense, o frevo também influenciou o surgimento de outras tradições. Segundo ela, o trio elétrico baiano nasceu com a passagem de um clube pernambucano por Salvador, na década de 1950. “O Vassourinha foi convidado a se apresentar e os integrantes foram de navio. Fizeram uma parada em Salvador, onde se apresentariam, mas estavam sem orquestra – eram só os personagens. Neste momento Dodô e Osmar se ofereceram para acompanhar o desfile e foi quando surge o trio elétrico”, detalhou.

Dodô (Adolfo Nascimento) e Osmar Nascimento ficaram conhecidos como os criadores do trio elétrico – que, por meio de adaptações, deu origem ao que ficou conhecido como carnaval baiano. Este ponto da história do frevo, ressalvou Cláudia, é polêmico.

“Sabe-se que o baiano é bairrista, mas essa é a verdadeira história do Clube Vassourinha e foi assim que o trio elétrico surgiu, puxando os vassourinhas”, defendeu.

2008-02-03

O que todo agricultor precisa saber sobre Calda Sulfocálcica

A calda Sulfocálcica é recomendada para o controle da rubelose, fungos de revestimento, ácaros, cochonilhas e bicho-furão, na citricultura. No tratamento de inverno, é indicada para a aplicação no tronco e nos ramos na densidade de 4° a 5° Beumê ( Be), que correspondem à concetração de um litro da calda concentrada ( 30° Be) em 8 a 12 litros de água. Ultimamente vem sendo utilizada com êxito para o tratamento fitossanitário no período vegetativo, pois, tendo custo baixo e eficiência, torna-se econômico o seu emprego. A densidade recomendada para o período vegetativo é de 0,5 ° a 0,8° Be, que correspondem às concentrações de 1:30 a 1:120, ou seja, 1 litro da calda concentrada para 30 a 120 litros de água. Para citros, é indicada a concentração de 1:30 a 1:50 .

Para o ácaro-da-leprose o controle com essa calda proporciona uma eficiência por 90 a 140 dias, em média. Outras pragas, como os ácaros da ferrugem, branco e mexicano, as cochonilhas dos ramos e troncos (parlatória, farinha) e de folhas( pardinha, vírgula, ortézia), a lagarta- minadora de folhas, o bicho-furão, e doenças, como a rubelose, a antracnose e a gomose, também são controladas pelo efeito trofobiótico dessa calda ( FRANCIS CHABOUSSOU).

A calda Sulfocálcica provoca uma pequena e suportável queda de folhas velhas, que simplesmente entram em senescência, caindo logo após transferirem seus componentes principais para as folhas próximas, não constituindo perda de reservas da planta. Pode ser fitotóxica em doses acima de 3% para brotações com menos de 15 dias e realizadas sob sol (temperatura acima de 28°C e umidade relativa abaixo de 65%).

Durante a sua aplicação, deve-se utilizar o Equipamento de Proteção Individual. Após a aplicação, tanto o Equipamento de Proteção como o de pulverização devem ser lavados com uma solução de 10% de vinagre ou limão para cada litro de água.

Eng.° Agr.° Heloísa Sabino Prates-
E-mail: cdsv@cati.sp.gov.br

Arquivo


Teste sua Memória